A destruição da economia da Jamaica por meio da austeridade

Um pequeno país entra na miséria sob ordens de credores internacionais; desemprego e pobreza crescem, a dívida aumenta e o investimento é prejudicado em favor do pagamento de juros sobre os empréstimos. Se isso parece familiar, é, mas o país aqui é a Jamaica.

Tão desastrosa é a austeridade para a Jamaica que o seu produto interno bruto per capita é menor do que era há 20 anos, o pior desempenho de qualquer país no Hemisfério Ocidental. Em apenas três anos, do final de 2011 até o final de 2014, os salários reais caíram 17% e deverão cair ainda mais em 2015, de acordo com o banco central do país, o Banco da Jamaica.

Screenshot_29
Gráfico mostrando a queda de homens empregados até 2012, em 2008 eram 55,29% empregados

Tal é a magia da austeridade, ou “programas de ajuste estrutural”, para usar o eufemismo oficial do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

Um novo documento do Centro de Pesquisa Econômica e Política, “Parceiros na Austeridade: Jamaica, Estados Unidos e Fundo Monetário Internacional“, informa que a quantidade de dinheiro que a Jamaica usará para pagar juros (nem mesmo o principal) em sua dívida será mais de quatro vezes o que gastará em despesas capitais em 2015 e 2016. E apesar de um novo empréstimo, o país na verdade pagou mais ao FMI do que recebeu nos desembolsos do FMI durante 2014!

Como um outro sinal dos tempos, o atual governo pró-austeridade da Jamaica é liderado pelo Partido Popular Nacional, o partido do antigo primeiro-ministro social-democrata Michael Manley. O primeiro-ministro Manley assumiu o cargo em 1972 sobre as promessas de combater a desigualdade social e a injustiça, e ele é creditado com a promulgação de uma legislação destinada a estabelecer um salário mínimo nacional, a igualdade para as mulheres, licença maternidade com remuneração, direito dos trabalhadores para se unirem a sindicatos, educação gratuita para o nível universitário e reformas educacionais que permitiram que estudantes e professores fossem representados nos conselhos escolares.

Ele também se tornou um personagem internacional que defendeu que programas progressivos fossem implementados em outros lugares. Naturalmente, isso não foi bem visto pelos EUA. Quando o primeiro ministro Manley ficou do lado da Angola quando ela foi invadida pela África do Sul que ainda tinha o apartheid e apoiou a ajuda de Cuba a Angola, ele desafiou um aviso do secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger. A presença da CIA na capital jamaicana, Kingston, foi duplicada.

Um comentário do Jamaica Observer notou os paralelos entre a derrubada de Salvador Allende no Chile e distúrbios na Jamaica mais tarde na década de 1970:

“Os imperialistas aplicaram o mesmo modelo de desestabilização “bem sucedido” do Chile na Jamaica. Eles aplicaram a mesma estratégia de “fazer a economia gritar”, criando escassez artificial de itens básicos, promovendo a violência, incluindo o assassinato selvagem de 150 pessoas em uma casa para idosos. A violência entrou em erupção na Jamaica como nunca visto antes pelas táticas de “choque e admiração” dominadas pelos imperialistas sempre que desejam criar mudanças fundamentais no país de outra pessoa. Manley e Jamaica se renderam sob a pressão e, eventualmente, tomaram a rota do FMI”.

Substituindo o desenvolvimento humano por austeridade

O conservador que assumiu o cargo em 1980 inverteu os programas do primeiro-ministro Manley. No momento em que o primeiro-ministro Manley voltou ao cargo em 1989, ele se moveu muito mais para a direita sob o impacto da mudança das circunstâncias geopolíticas mundiais e do domínio da ideologia neoliberal. Como um obituário em The Economist, colocou-o secamente: “Ele fez como o FMI lhe disse, liberalizou o câmbio e acelerou a privatização das empresas estatais”.

O programa de tamanho único, uma condição dos empréstimos do FMI e do Banco Mundial, inclui a desvalorização da moeda (tornando as importações mais dispendiosas), a privatização em massa de ativos do estado (geralmente feito a preços de venda), cortes nos salários e priorização dos lucros do capital estrangeiro sobre o próprio bem-estar de um país. O filme de 2001, Life and Debt, produzido e dirigido por Stephanie Black, representou um país de joelhos graças ao “ajuste estrutural”. O site do filme mostra o retrato dessa maneira:

“O porto de Kingston está alinhado com fábricas de alta segurança (não no sentido trabalhista), disponibilizadas para empresas de vestuário estrangeiras por um aluguel barato na ilha. Essas fábricas são oferecidas com o incentivo adicional de as empresas estrangeiras serem autorizadas a trazer cargas de material de fora livre de impostos, para que elas sejam costuradas, reunidas e imediatamente transportadas para o mercado estrangeiro. Mais de 10 mil mulheres atualmente trabalham para empresas estrangeiras sob condições de trabalho abaixo de um padrão aceitável. O governo jamaicano, para garantir o emprego oferecido, concordou com a estipulação de que nenhuma sindicalização é permitida nas Zonas Francas. Anteriormente, quando as mulheres se falavam e tentavam se organizar para melhorar seus salários e condições de trabalho, elas eram demitidas e seus nomes incluídos em uma lista negra, garantindo que nunca mais trabalhassem”.

O filme mostra a destruição da indústria de banana da Jamaica e a diminuição de sua capacidade de produção de leite, ja que o país é obrigado a se abrir para a penetração irrestrita do capital multinacional, enquanto essas empresas continuam recebendo subsídios fornecidos pelos governos domésticos. O site do Life and Debt informa:

“Em 1992, as políticas de liberalização exigiam que os impostos de importação sob  sólidos de leite importados dos países ocidentais fossem eliminados e os subsídios à indústria local fossem removidos. Em 1993, um ano após a liberalização, milhões de dólares de leite local não pasteurizado tiveram que ser despejados, 700 vacas foram abatidas de forma prematura e vários fazendeiros de laticínios fecharam as operações. Atualmente, a indústria reduziu quase 60% e continua a diminuir. É improvável que a indústria de produtos lácteos revitalize seu crescimento “.

Pobreza e desemprego continuam a aumentar

A austeridade continua seu curso hoje. O documento “Parceiros na Austeridade” do Centro de Pesquisas Econômicas e Políticas, escrito por Jake Johnston, observa que as condições na Jamaica estão a piorar – o desemprego, com 14,3 por cento, quando 2014 chegou ao fim, é maior do que era quando a crise econômica global aconteceu em 2008 e a taxa de pobreza de 2012 (mais recente para as quais as estatísticas estão disponíveis) de 20%, é o dobro da de 2007.

Screenshot_27
Gráfico mostrando o nível da pobreza do país até 2012

A Jamaica atualmente tem uma relação dívida-para-PIB de 140%, um nível insustentável que aumentou. No entanto, é exigido como condição para o último empréstimo do FMI, para  o país manter um superávit orçamentário sem precedentes de 7,5%. Assim, o documento declara que o país está passando pela maior austeridade do mundo, porque esse superávit, o mais alto dito a qualquer país, deve ser extraído dos trabalhadores além do que é extraído para pagamentos de juros.

A Jamaica refinanciou sua dívida duas vezes nos últimos três anos, e seu último empréstimo do FMI, feito em 2013, ocorre dois anos depois que os empréstimos anteriores foram interrompidos, porque o governo disse que pagaria os aumentos salariais prometidos aos funcionários do setor público. As trocas de dívidas reduziram as taxas de juros e prolongaram o período de pagamento, uma combinação que não significa necessariamente que menos juros serão pagos. Sem alívio da dívida, não há saída desse círculo vicioso. O documento “Parceiros na Austeridade” diz:

“Destruída com níveis da dívida desesperadoramente elevadas e um crescimento anêmico há anos, a Jamaica certamente precisa de financiamento. Mas também é o caso de, que depois de bilhões de dólares do Banco Mundial, do Banco Interamericano de Desenvolvimento e empréstimos do FMI, grande parte da dívida do país é devida às mesmas instituições que agora estão oferecendo novos empréstimos “.

Os esquemas de financiamento, quaisquer que sejam as consequências negativas que possam ter para o país, são lucrativos para os bancos de investimento. Por exemplo, os bancos que subscrevem os títulos do governo argentino ganharam US $ 1 bilhão em taxas entre 1991 e 2001, lucrando com a dívida pública. No entanto, a dívida externa continuou a crescer. Em um exemplo durante este período, uma breve pausa no cronograma de pagamento da Argentina foi concedida em troca de pagamentos de juros mais altos – a dívida da Argentina aumentou com o acordo, mas o banco de investimento que organizou essa reestruturação, o Credit Suisse First Boston, acumulou uma taxa de US US $ 100 milhões.

Menos para as necessidades publicas

Como resultado das novas medidas de austeridade, as despesas do governo jamaicano em infraestrutura caíram para 2,6% do PIB, em oposição aos 4,2%, de 2009. Além disso, o governo é obrigado a dar US $ 4,4 bilhões ao longo de quatro anos de seu Fundo Nacional para reabastecer os cofres do governo drenados para pagar os empréstimos. O fundo, um legado do primeiro-ministro Manley, tinha a ordem de fornecer habitação a população por preços acessíveis e, no entanto, agora o mesmo Partido Popular Nacional está o saqueando sob ordens do FMI.

As dificuldades econômicas do país seriam ainda mais severas se não fosse a ajuda dada pela Venezuela e pelos investimentos da China, de acordo com os “Parceiros na Austeridade”. O paper informa:

“O financiamento venezuelano vem através do acordo Petrocaribe, onde a Jamaica recebe petróleo da Venezuela, pagando uma porção a vista e mantendo o restante como empréstimo de longo prazo. A Jamaica paga um interesse menor nos fundos Petrocaribe do que aos seus parceiros multilaterais. De acordo com o FMI, os desembolsos líquidos através da Petrocaribe totalizaram mais de US $ 1 bilhão nos últimos três anos, com uma média de 2,5% do PIB por ano. Uma parcela significativa dos fundos da Petrocaribe está sendo usada para refinanciar a dívida interna, em apoio do programa do FMI. Além disso, uma parcela dos fundos assume a forma de doações e é usada para o desenvolvimento social, reforçando o apoio aos mais necessitados, que foram mais impactados pela contínua austeridade. … Sem os investimentos venezuelanos e chineses que impedem a recessão, é provável que o programa do FMI falhe devido à seria oposição pública”. [Página 13]

É possível fornecer ajuda que realmente auxilia o desenvolvimento e não é uma cobertura para a exploração, como demonstra a Venezuela.

Por que os programas desastrosos de “ajuste estrutural” continuam a ser impostos em países de todo o mundo, apesar dos resultados? Sem dúvida, muitos que prescrevem “ajustes estruturais” continuam a acreditar no neoliberalismo diante de todas as evidências. Mas essa ideologia não caiu do céu; é uma ideologia ao serviço dos maiores industriais e financeiros, apresentando a desigualdade e o excesso do capitalismo que é tão natural quanto as marés. Mas qualquer coisa feita pelos seres humanos também pode ser desfeita pelos humanos.


Artigo original do site Systemic Disorder, disponivel abaixo:
https://systemicdisorder.wordpress.com/2015/06/03/destruction-of-jamaica-austerity/

Tradução por Andrey Santiago

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s